sexta-feira, 18 de setembro de 2015

o momento após uma derrota

o sentimento de frustração por uma derrota do seu time, após um jogo sobre o qual você criou uma expectativa exagerada – como um bom e tolo torcedor – apresenta-se sendo de uma dificuldade das mais acentuadas com as quais o ser humano precisa aprender a conviver. porque as derrotas se avolumam ao passar dos dias de uma vida inteira, afinal de contas, hodierno, a volatilidade é característica marcante, sendo impossível os clubes de futebol dela escaparem. e ontem eu me sentei no sofá de casa, abri uma cerveja, um pacote de amendoim, o whatsap e o twitter – elementos antigos e modernos presentes na ação de assistir a um jogo de futebol – e percebi, no primeiro minuto de jogo, que a casa já tinha caído. aquela coisa de time venceu seis partidas seguidas e criou em mim, enquanto torcedor, a expectativa por, no mínimo, mais seis ou sete vitórias consecutivas - porque a cegueira é inerente a ato de torcer. e, na metade do primeiro tempo, já perdíamos por dois a zero, e os jogadores estavam mais nervosos em campo do que eu em casa. que puta frustração, cuja consequência traz consigo, em primeiro lugar, um momentâneo abandono das redes sociais, e, posteriormente, uma reflexão profunda sobre a própria vida, afinal, nós buscamos, nesses momentos, encontrar um sentido para a existência, por isso a necessidade de uma recapitulação detalhada de tudo o que seja possível lembrar: família, trabalho, amigos, finanças, lazeres e afins. hoje, inclusive, eu olhei novamente a tabela do brasileirão e já conjecturei três vitórias seguidas, provando que o amadurecimento é palavra distante na vida de um torcedor.

ítalo puccini