domingo, 15 de junho de 2014

quero ver o messi campeão do mundo


e é só por isso que, nessa copa, eu torço pelos hermanos.
(opa! gol da croácia. que chato, não?)
eis a copa do mundo para mim, um período que extrapola o inferno astral costumeiro em determinado período de um ano, tornando-se um martírio que me cansa só de olhar a efervescência futebolística em que se transforma o país. é o ponto alto do falso patriotismo. é muito pra eu dar conta e fingir que está tudo bem.
torcer contra não me satisfaz. faço pouco caso da seleção brasileira, apenas. na última copa, por exemplo, encantei-me pela espanha e fui com ela até o final, vibrando o merecido título. agora, quatro anos depois, já me cansei do futebol tiki-taka. quero algo mais agressivo e ao mesmo tempo puro encanto, eficiente e clássico, dinâmico e leve. quero, portanto, ver o messi sendo campeão mundial, para não ocorrer a um dos maiores gênios do futebol a infelicidade que viveu zico, em não levantar uma copa do mundo. porém, caso não dê para a argentina, tenho um apreço também muito grande pela seleção alemã, que há no mínimo três copas vem merecendo o título. contudo, nada disso me levará a comprar camisa ou apetrechos selecionáveis. minha torcida é discreta, é casual, é momentânea. provavelmente, mudará na próxima copa, a não ser que o futebol messiânico (ops) se mantenha encantador até lá.
inclusive, já escrevi, um tempo atrás, sobre isso de ser um torcedor camaleão. é algo que me faz bem, que me possibilita encarar o esporte com outros olhos, de uma maneira mais fria, sim, porém mais agradável a mim. exemplos: comemorei o título corinthiano da libertadores e hoje não vejo graça nenhuma naquele time comandado por mano menezes; virei a casaca ao admirar mais o futebol do real madrid ao do barcelona; e sou inclusive capaz de torcer pelo rebaixamento do flamengo, caso o time continue jogando do modo estapafúrdio e vergonhoso como está.
(opa! o apito amigo acabou de dar o ar da graça. neymar, de pênalti-inexistente, vira para o brasil. e, diante disso, vou eu levar a sério o futebol?)
enquanto joga o brasil, eu escrevo. e leio. leio caio fernando abreu cronicando de maneira tão pessoal que me seduz a escrever. isto porque caio escreve sem medo com o que vão pensar, escreve sem imaginar que está sendo lido, escreve como forma de expressar o que sente e pensa. e só. é a escrita cumprindo com o seu papel, uma vez que aquele texto, depois de lançado aos lobos, será devidamente devorado, não cabendo mais ao escritor participação alguma além daquilo que foi dito.
caio é, por vezes, muito melancólico. disso não gosto. porém, a sua escrita me soa tão sincera que, mesmo não me agradando o tom dela, leio-a, com vontade, uma crônica atrás da outra, inebriando-me de sensibilidade e de agressividade também. tão contraditório, tão caio fernando de abreu. tão futebol.
tão família: minha mãe dorme durante os jogos da copa, incluindo os do brasil. invejo-a; meu pai desencantou-se com a seleção brasileira após a perda da copa de 82 – na deste ano, é declarado torcedor da itália; meu irmão, dois anos mais novo do que eu, torcerá por portugal; e o caçula, de onze anos, afirmou-se encantando pela alemanha, pra ele, o melhor elenco da copa – tão novinho, e tão entendedor de futebol.
aliás, o luigi eu admiro. na teoria, ele é corinthiano, não adiantando nossos esforços, há alguns anos, para que se tornasse flamengo. entretanto, na prática, ele faz pouco caso do clube paulista. do que ele gosta mesmo é de acompanhar o vai e vem dos jogadores entre os times, é de saber do placar das partidas, analisar elencos, não se interessando pelos jogos em si, muito menos comemorando gols ou sofrendo por derrotas. eu também o invejo. ligado ao esporte e assim desapegado de sentimentos futebolísticos. acredito que será muito mais feliz do que tantos supostos apaixonados torcedores, que não entendem o esporte como um entretenimento. (eu era um desses. eu não separava da minha vida o resultado. eu vivia momentos de ansiedade pré-jogo e de euforia/depressão após o mesmo. quanta adrenalina à toa, hoje creio.)
(opa! oscar, o contestado, faz três a um. )
caio, o contestado, fazia análise. eu também. e na análise eu cheguei e falei: tou puto. esse clima de copa do mundo me deixa extremamente irritado. e olha que eu gosto muito de futebol, desde a infância. e blá blá blá. foi uma sessão bastante produtiva, geradora de novas angústias, o que, em se tratando de processo terapêutico psicanalítico, é salutar. e ajudou-me no sentido de que saí de lá não somente mais calmo e ao mesmo tempo ainda angustiado, como também com a ciência de que a copa do mundo é apenas uma fuga da minha ira. o caso é bem mais profundo, ele envolve uma dificuldade de relacionar-me socialmente, ele envolve situações nas quais me sinto exposto, tendo a minha privacidade invadida pelo desrespeito alheio, e ele envolve minha fraqueza em encarar tais situações, em bater de frente com o outro, quase literalmente, se preciso.

diante de tudo isso, saí do consultório mais confiante em defender minha torcida a favor da argentina, não necessariamente contra o brasil – seria, inclusive, bonito uma final entre as duas seleções. aí, sim, eu torceria a favor daquela e contra esta. mas é tudo puramente gosto, questão de apreço por um e não pelo outro. apenas isso. e eu acredito que seja permitido acompanhar futebol assim, tão luigi, tão desapegado, tão contraditório, tão caio fernando abreu, tão esta croniqueta. tão nós.

ítalo. 

segunda-feira, 28 de abril de 2014

banana faz bem pra vista




"Eu nunca vi um macaco de óculos. Isso não é um argumento, é só um comentário. Eu nunca vi, ué. 
Entretanto, o fato é que banana faz bem pra saúde. É rica em potássio e fibras, evita cãibras, entre outros benefícios. Quem nunca viu o Guga comendo uma banana no intervalo dos jogos? A banana é o alimento dos atletas, como se diz.
O surpreendente é que em pleno século XXI ela ainda mostra ter propriedades inovadoramente benéficas a saúde. Ela faz bem pra visão. Não física, mas mental. Isso não foi comprovado em laboratório, mas sim em uma partida de futebol, como mostra o vídeo. A banana faz com que você enxergue melhor o mundo a sua volta.
"Se a vida te da uma banana, coma, oras!" ALVES, Dani