quinta-feira, 27 de outubro de 2011

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

coisa mais legal do mundo

é perder de goleada.

melhor ainda se for já no primeiro tempo.

o jogo vira outro.

torna-se pura diversão.

porque não há nada melhor do que rir da desgraça alheia.

afinal, a vergolha é dos jogadores,
não minha,
que devidamente dormi o sono dos justos.

ítalo.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

o futebol é bonito


Eu só não consigo mais assisti-lo. Muito menos acompanhá-lo à distância. Ele certamente está mais bonito na memória do que no presente que está sendo vivido. Pelo menos para mim. Isso que minha memória não é de bons tempos futebolísticos, não. É sinal de que ano a ano a coisa vem degringolando.
Da mesma forma que outras coisas na vida, tem sido um afastamento gradual, bem aos poucos. Um acúmulo de situações chatas aliado a um desgosto profundo, como se faltasse o Flamengo no mundo.       Ele não falta, como não faltam times tão ruins quanto. E unidos todos têm conseguido apavorar minha paciência e o meu bom gosto.
E para quem antes respirava futebol de todas as formas possíveis, hoje não sentir prazer nisso é uma mudança e tanto. Caso não passasse na televisão, ouvir no rádio era um caminho mais buscado do que acompanhar lance-a-lance na internet. Mas de alguma forma eu precisava saber em tempo real o que acontecia no campo. Os únicos momentos em que eu fugia disso eram os de muita emoção e nervosismo, quando o jogo era tenso ou importante demais. Às vezes eu fugia mesmo, pro coração aguentar.
Hoje, o que me leva a assistir a algum jogo são situações externas a ele: um bar com vários jogos e vários torcedores de vários times ou a companhia de um amigo para muito mais colocar a conversa em dia do que acompanhar os caminhos da bola durante a partida. Aquela necessidade de antes não se faz mais presente, e nem mesmo por ler a respeito dos times e dos campeonatos eu me interesso. Tudo se apresenta como um senso comum recheado de clichês. Quando e  onde você ouve que o líder do campeonato nacional não é o melhor time, e sim o menos ruim entre todos?
Diz o hino do Fla que “Uma vez Flamengo, sempre Flamengo”. Continuo concordando, mas ao mesmo tempo em que me distancio dos jogos, quando acompanho algum sou muito flexível. Torço por quem joga bem – quando dou sorte de ao menos um time fazer isso. Não me incomodo com vitória de rivais ou com derrotas para times que a mereceram. O futebol me deixou de ser paixão há muito. Hoje me é razão, e por pensá-lo eu me afasto. Porque está tedioso. Ou ele, ou eu.
publicado aqui primeiramente.
ítalo.

domingo, 2 de outubro de 2011

a isso dá-se o nome de coerência,



são paulo.


jogar contra os quatro cariocas em casa, e perder as quatro partidas.


perfeito.


ítalo.